CETAQUA encoraja as gerações futuras a reciclar

Na terça-feira, 19 de Julho, o projecto europeu ECOVAL SUDOE apresentou o seu modelo de gestão e recuperação de lamas de depuração e resíduos orgânicos urbanos aos estudantes participantes na Aula de la Naturaleza de Oira, organizada pelo Conselho de Ourense. CETAQUA Galiza, líder do projecto, estava encarregada de transmitir às crianças a importância da separação correcta dos resíduos para alcançar um mundo mais sustentável. A participação activa das 12 crianças entre os 4 e 12 anos de idade foi a peça chave da sessão.

Ánder Castro, o técnico CETAQUA responsável pela formação, mostrou o impacto positivo que a reciclagem tem nas nossas vidas, explicando os processos envolvidos neste tipo de economia circular e como cada indivíduo pode colaborar em casa, alcançando um grande benefício colectivo. Evidentemente, foi também salientada a importância de evitar a utilização da sanita como caixote do lixo, dado que os toalhetes, gessos e cotonetes (entre outras coisas) podem causar grandes problemas ambientais quando se acumulam nas redes de esgotos das nossas cidades, bem como nas estações de tratamento de águas residuais. Além disso, foi salientada a importância de evitar desperdícios alimentares, promovendo a compra controlada e o consumo responsável.

 

A ciência ao serviço da cidadania

A palestra foi estruturada numa parte informativa na qual foram mostrados às crianças conteúdos relacionados com a gestão de resíduos, mostrando-lhes os diferentes contentores actualmente existentes, com especial destaque para o contentor castanho, que ainda se encontra em fase de implementação. Posteriormente, foram exibidos vídeos relacionados com o tema e desenvolvidos jogos interactivos no âmbito da campanha ” Já conhece o novo contentor castanho? “ do projecto ECOVAL. O grupo mostrou grande interesse no conteúdo da actividade. A facilidade com que foram capazes de separar os diferentes tipos de resíduos no final da actividade destacou-se. Desta forma, a ciência foi colocada ao serviço do público, transferindo o conhecimento gerado no projecto de uma forma simples e compreensível, a fim de aumentar a consciência ambiental.

CETAQUA Galiza dará outra formação relacionada com a reciclagem na mesma Aula de la Naturaleza a 25 de Agosto de 2022. A empresa Viaqua também participa activamente na mesma através da sua actividade Aqualoxia, na qual se destaca o conhecimento do ciclo urbano integral da água.

Consórcio ECOVAL reúne-se cara a cara no Porto, uma cidade empenhada na circularidade

consorcio ecoval porto ambiente

A cidade do Porto acolheu, no passado mês de junho, o encontro dos participantes no projeto ECOVAL que, ao longo de dois dias de trabalho, tiveram oportunidade de partilhar experiências, aprendizagens, desafios e perspetivar o futuro.

Ao longo de dois dias bastante preenchidos com apresentações e visitas a pontos de interesse locais como a Água e Energias do Porto, ou à Lipor, estes cerca de 20 participantes ficaram a conhecer um pouco mais destas instituições e do trabalho desenvolvido nesta área.

 

Enquanto anfitriã a Porto Ambiente pôde também partilhar aquele que tem sido o caminho que tem vindo a ser trilhado na área dos resíduos orgânicos e os maiores desafios encontrados neste percurso.
O projeto Orgânico, lançado em abril de 2021, contou com uma forte campanha de comunicação e sensibilização que permitiu uma forte adesão à iniciativa.
Em pouco mais de um ano, este projeto já envolve mais de 26 500 famílias e regista números impressionantes em termos de recolha: mais de 100 toneladas de resíduos/ mês. O peso desta operação é de tal forma importante que, no primeiro semestre de 2022 houve um crescimento superior a 80% neste tipo de resíduos face ao período homólogo.
Números que permitem uma redução do desperdício, minimização dos valores remetidos para indiferenciado, e que traduzem uma verdadeira circularidade, com estes resíduos a serem transformados em composto orgânico de elevada qualidade, utilizado na agricultura biológica.

 

Se estes dados não deixam margem para dúvidas sobre o empenho dos portuenses, traduzem também o sucesso da estratégia da Porto Ambiente, com a aposta nos orgânicos, projeto cujo alargamento a toda a cidade está previsto acontecer até ao final de 2023. Um horizonte ambicioso, mas em harmonia com o compromisso da Porto Ambiente de promoção da economia circular, essencial para alcançar a meta da neutralidade carbónica na cidade, em linha com os desafios do Pacto do Porto para o clima, que a empresa municipal abraçou desde a primeira hora.

 

Águas Do Tejo Atlântico: ultrapassando barreiras de pré-tratamento de lamas no projeto ECOVAL

aguas do tejo atlantico ecoval

O projeto ECOVAL Sudoe propõe uma nova abordagem na gestão de resíduos orgânicos baseada na sua valorização para obtenção de ácidos gordos voláteis (AGV), matérias-primas secundárias úteis para indústrias como a de plásticos, lubrificantes ou agroquímicos.

A Águas do Tejo Atlântico (AdTA), membro do consórcio ECOVAL, colabora na transposição de barreiras técnicas e legais à valorização de AGV a partir de lamas de ETAR e biorresíduos. Esta tarefa requer a cooperação de diferentes atores da região SUDOE (entidades gestoras de saneamento e resíduos, centros de investigação, autoridades ambientais, consultores jurídicos e associações do sector) para alterar o quadro legal vigente, por forma a permitir a utilização de produtos obtidos a partir de resíduos. Com o intuito de identificar barreiras existentes, foram realizados dois workshops participativos nos quais foram identificadas as semelhanças na gestão legal e operacional deste tipo de resíduos nos 3 países do projeto.

A AdTA focou-se igualmente no pré-tratamento de lamas de ETAR para maximizar a produção de AGV. Para tal, foram realizados testes com tecnologia de campos elétricos pulsados utilizando lamas do tratamento biológico da ETAR de Frielas e lamas mistas espessadas da ETAR de Beirolas. Os dois testes foram realizados para verificar se existe alguma vantagem no pré-tratamento de lamas e, se o conteúdo de sólidos afeta a eficácia desta tecnologia.

Por fim, a AdTA participou na quantificação das lamas produzidas em Portugal e na classificação da sua qualidade. Este trabalho apoiará a análise da sustentabilidade ambiental e económica que será realizada no projeto no âmbito do Grupo de Trabalho 6: Replicabilidade e transferibilidade do modelo de negócio e avaliação ambiental e económica.

CETAQUA e Biogrup participam na 17ª Conferência Mundial de Digestão Anaeróbica

cetaqua e biogrup na conferência de digestão anaeróbia

A 17ª Conferência Mundial sobre Digestão Anaeróbica (AD17) realiza-se na Universidade de Michigan (EUA) de 17-22 de Junho de 2022. Esta conferência internacional, organizada pelo Grupo de Especialistas em Digestão Anaeróbica da Associação Internacional da Água (IWA) com o apoio da UMICH e da USC, é um evento para discutir os recentes avanços na digestão anaeróbica e processos relacionados. O tema desta edição é: “Biogás e mais além: Expandindo as aplicações das biotecnologias anaeróbias numa economia circular“. Este tema destaca o campo em evolução das biotecnologias anaeróbias, que desempenham um papel cada vez mais importante numa (bio)economia circular.

 

O programa inclui workshops pré-conferência, oradores em plenário e oradores principais, um painel de discussão “da investigação ao empreendedorismo”, mais de 100 apresentações orais e cerca de 100 apresentações de posters. Tudo em torno de uma vasta gama de tópicos em torno do papel da digestão anaeróbica na biotecnologia. Parte da investigação do ECOVAL tem a ver com a optimização deste processo para a produção de ácidos gordos voláteis na ETAR Ourense, pelo que Antón Taboada-Santos, investigador e Gestor de Projecto na CETAQUA, dará uma palestra sobre a influência da hidrólise térmica pré-tratamento na produção de VFAs a partir de lamas de depuração. Também estará presente no evento o Biogroup USC, parceiro da ECOVAL, com a apresentação de um poster sobre o impacto da salinidade na produção de AGV, como resultado do projecto CONSERVAL Poctep.

 

A palestra de Antón Taboada, coordenador do projecto, intitula-se Thermal Hydrolysis Pre-treatment Has No Positive Influence On VFA Production From Sewage Sludge e terá lugar na segunda-feira 20 às 11:00hrs, dentro do bloco From Research to Practice: What is the best way to recover energy from sludge? que funciona no mesmo dia das 10:30 às 12:15 no Auditório UMMA. Será uma apresentação oral de 10 minutos com 5 minutos para perguntas e respostas. Os resultados apresentados provêm da investigação da equipa formada por Antón juntamente com Ánder Castro, Sabela Balboa, Vanesa Paramá, Borja Álvarez, Celia Castro e Juan M. Lema.

 

O cartaz do Biogrupo USC (no âmbito do grupo de investigação CRETUS) será apresentado na terça-feira 21 de Junho com o identificador P58 : Volatile Fatty Acid Production From Fish-canning Industry Effluents : The Impact Of Salinity. É o resultado da investigação de Juan Iglesias-Riobó, Riccardo Bevilacqua, Miguel Mauricio-Iglesias e Marta Carballa. Será exibido no Salão de Baile da Liga Michingan das 12:15 às 14:00 e das 17:15 às 19:00, juntamente com o resto dos cartazes do dia.

 

AD17 é uma boa oportunidade para sensibilizar a comunidade internacional para alguns dos resultados do ECOVAL e assim melhorar a sua comunicação e divulgação, em conformidade com o Grupo de Trabalho 6 do projecto. O evento, para o qual as inscrições já estão encerradas, conta com uma forte afluência de académicos, empresas de serviços públicos e engenheiros consultores.

CETAQUA mostra os avanços da ECOVAL na gestão sustentável de resíduos na CORFU

cetaqua muestra en corfu avances ecoval

A Conferência Internacional sobre Gestão Sustentável de Resíduos Sólidos (também chamada CORFU 2022) tem lugar na ilha grega de Corfu de 15-18 de Junho. Este ano, no seu nono ano, procura abordar a importante questão da gestão sustentável dos resíduos sólidos através da promoção de práticas seguras e tecnologias eficazes. Visa estimular o interesse dos cientistas e dos cidadãos e informá-los sobre os últimos desenvolvimentos no domínio da gestão dos resíduos sólidos urbanos. As exposições estão localizadas no Teatro Municipal no centro da cidade, mas também podem ser vistas online, sujeitas a inscrição e reserva prévias.

 

Os temas discutidos estão intimamente relacionados com o projecto ECOVAL e as suas inovações. Portanto, na quinta-feira 16 às 18:00hrs, Ánder Castro, investigador da CETAQUA, apresentará os resultados obtidos através da experimentação na ETAR piloto de Ourense. O artigo intitula-se “O pré-tratamento com hidrólise térmica não tem influência positiva na produção de VFA a partir de lamas de depuraçãoe é o resultado da investigação realizada pelo próprio Ánder em conjunto com S. Balboa, V. Paramá, B. Álvarez, C. Castro-Barros, J.M. Lema e A. Taboada-Santos. Faz parte da sessão XV do evento, na sala 3, dedicada à valorização dos resíduos.

 

Mais especificamente, a conversa trata do efeito dos pré-tratamentos de lamas de depuração (em particular a chamada hidrólise térmica) sobre a produção de ácidos gordos voláteis. Este conhecimento é muito útil para reforçar o objectivo global da conferência: dar um passo em frente na gestão de resíduos sólidos, para a qual ajuda muito aprender a obter produtos de valor acrescentado aplicando-lhes processos de biorefinaria.

 

A conferência é uma grande oportunidade para reunir cientistas e profissionais de departamentos governamentais, indústria, municípios, universidades, empresas privadas e centros de investigação, proporcionando um fórum para o intercâmbio das mais recentes ideias e técnicas no mundo da gestão de resíduos.

ECOVAL atribuiu um prémio na Europa pela sua campanha “Outro contentor, que marron!”

Ecoval premiado en europa ewwr

O projecto foi distinguido com o Prémio Especial Europeu durante a Cerimónia da Semana Europeia da Redução de Resíduos, à qual foram submetidas mais de 12.400 acções

A campanha de comunicação e sensibilização social “Já conhece o novo contentor castanho?“, lançada pela Fundación Empresa Universidad (FEUGA) no âmbito do projecto Ecoval Sudoe, foi reconhecida com o Prémio Especial Europeu na cerimónia da Semana Europeia para a Redução de Resíduos (EWWR), realizada em Bruxelas.

O prémio foi atribuído em reconhecimento do impacto da campanha, da sua criatividade e natureza participativa, bem como da sua boa utilização dos meios de comunicação social. Mais de 12.400 acções participaram na edição “Comunidades Circulares” dos prémios promovidos anualmente pela ACR+, uma rede internacional de cidades e regiões que partilham o objectivo de promover a gestão sustentável dos recursos e acelerar a transição para uma economia circular nos seus territórios e não só. A campanha “Já conhece o novo contentor castanho?” conseguiu destacar-se e colocar-se entre as 60 acções pré-seleccionadas pelo júri, permanecer entre os 16 finalistas e finalmente conseguir a distinção.

 

A campanha centrou-se na sensibilização do público para a importância de separar correctamente os resíduos, com destaque para os resíduos orgânicos, o contentor castanho e a utilização incorrecta da sanita como contentor de lixo

O prémio foi entregue por Chield Berends, representante da unidade de resíduos da Direcção-Geral do Ambiente da Comissão Europeia. Para além do seu enfoque nos resíduos orgânicos e no novo contentor castanho, a campanha centrou-se também nos resíduos que não devem ser despejados na sanita. A separação adequada dos resíduos e a correcta utilização dos sanitários são de importância vital para projectos como o Ecoval Sudoe, que se concentra na valorização dos resíduos orgânicos municipais e das lamas de depuração em produtos de alto valor acrescentado, tais como ácidos gordos voláteis. Para que a inovação proposta pelo projecto seja realmente posta em prática, tem de se conseguir primeiro uma separação adequada dos resíduos, e é aqui que reside a importância de tais iniciativas.

A Semana Europeia da Prevenção de Resíduos (EWWR) é a maior campanha de sensibilização para a prevenção de resíduos na Europa. Impulsionada pelas autoridades públicas locais e regionais, reúne todos os tipos de actores – cidadãos, escolas, empresas, ONG, associações – que organizam actividades de sensibilização para a redução de resíduos.

 

As escolas de Palência descobrem a importância da triagem dos resíduos orgânicos

colegios palencia descubren importancia separar residuos orgánicos

A campanha de sensibilização ECOVAL que a Fundación Patrimonio Natural de Castilla y León está a levar a cabo em Palência foi alargada aos jovens da cidade. Passou por uma série de reuniões em diferentes escolas e institutos que começaram em 16 de Maio e terminaram em 30 de Maio na Fundação Educativa Divino Maestro.

Na sua viagem, estes dias educativos passaram pelo Colégio Santo Domingo de Guzmán, a Ciudad de Buenos Aires do CEIP, o CEIP Jorge Manrique, o Colégio Tello Téllez de Meneses ou o Centro de Formação Profissional Camino de la Miranda. Num total de 11 sessões distribuídas entre estas escolas, mais o Divino Maestro, a campanha atingiu um número total de 248 estudantes. As idades variavam entre os 8 e os 16 anos de idade. Se a este número somarmos os estudantes alcançados pela campanha através dos parceiros FEUGA e CETAQUA nas escolas CRA de Vilaboa, Filomena Dato e Colexio Mendiño, chegamos a cerca de 400 estudantes conscientes da separação de resíduos.

 

A economia circular como uma economia regenerativa.

As sessões educativas foram estruturadas através de um procedimento interactivo e participativo concebido para escolas e institutos, no qual é apresentado o trabalho realizado pela Fundación Patrimonio Natural de Castilla y León na transmissão da economia circular como economia regenerativa. Consiste num jogo de perguntas e respostas que permitirá aos estudantes compreender o valor e o ciclo da matéria orgânica num modelo de economia circular, compreendendo as diferentes ferramentas úteis, tais como a prevenção de resíduos alimentares ou a separação correcta dos resíduos. Uma equipa de educadores ambientais estava encarregada de a levar a cabo.

Esta campanha incluiu também cartazes sobre autocarros e abrigos de autocarros, a organização da Conferência de Empresários de Palência e a publicação de um Guia de Boas Práticas que fornece informações sobre o problema dos resíduos orgânicos urbanos e sobre a forma como estes podem ser tratados em casa. Tudo isto está centrado na divulgação e sensibilização geral das possibilidades que o projecto ECOVAL oferece para a gestão de lamas e resíduos orgânicos urbanos.

Ecoval Sudoe, um enfoque sustentável para a gestão de lamas e biorresíduos urbanos

A 8 de Junho, o evento “Ecoval Sudoe, um enfoque sustentável para a gestão de lamas e biorresíduos urbanos “, organizado pela Porto Ambiente, reunirá os principais actores envolvidos no ECOVAL para definir uma imagem clara e detalhada do projecto. O local será a sede do Porto Ambiente, no Porto.

A empresa organizadora portuguesa é responsável pela gestão dos resíduos urbanos e serviços de limpeza da Câmara Municipal do Porto. Nos últimos anos, tem feito um esforço para melhorar a recolha de resíduos orgânicos através da inovação, participando em projectos internacionais de I&D&I. No ECOVAL, dedicam-se à identificação de barreiras legais à recuperação de lamas e bio-resíduos urbanos e à proposta de alterações legislativas para a implementação do modelo ECOVAL e a sua chegada ao mercado.

 

O programa do evento, que decorre das 09:30h às 17:00h, terá início com uma recepção do vice-prefeito de Porto Filipe Araújo e uma introdução ao projecto pelo coordenador Antón Taboada, de Cetaqua. Isto será seguido durante toda a manhã por uma série de apresentações de cada um dos parceiros com uma pausa para o café. Após o almoço, o consórcio convidado visitará a Estação de Compostagem da LIPOR e a Estação de Tratamento de Águas Residuais de Águas do Porto, conhecendo em primeira mão o seu funcionamento. Pode consultar o programa completo aqui.

A participação é limitada aos membros do consórcio e aos convidados pelo Porto Ambiente. Será a primeira vez que todo o consórcio do projecto ECOVAL se reunirá pessoalmente, e aproveitarão a oportunidade para realizar uma reunião organizacional no dia seguinte ao evento.

A campanha “Já conhece o novo contentor castanho?” viaja para o CRA de Vilaboa

La campaña “Otro contendor, ¡qué marrón!” viaja de la mano de FEUGA hasta el CRA de Vilaboa

Após a boa recepção da actividade no Colexio Mendiño, a campanha ECOVAL “Já conhece o novo contentor castanho?” é abordada pela mão da FEUGA ao CRA de Vilaboa, uma escola infantil multilingue, com crianças entre os 3 e os 6 anos de idade.

Seguindo os valores da Semana Europeia da Redução de Resíduos, na qual a campanha nasceu, e como parte da celebração do Dia Mundial da Reciclagem (17 de Maio), a actividade centrou-se em transmitir aos mais jovens a importância de separar os resíduos da forma correcta, a fim de alcançar um mundo mais sustentável.

A implementação do contentor castanho ainda não está generalizada em toda a Europa, mas em Vilaboa, há muitos anos que se separa os resíduos orgânicos. O Ponto Verde gerido pelo conselho está a tornar-se uma referência a nível provincial, sendo capaz de gerir até 750 toneladas de resíduos orgânicos por ano, principalmente da poda e da jardinagem.

Ecoval foi responsável por reforçar esta atitude positiva em relação à reciclagem na sala de aula, explicando os processos envolvidos neste tipo de economia circular e como cada indivíduo pode colaborar em casa para alcançar um benefício colectivo muito maior.

 

As actividades a realizar com os estudantes foram eminentemente práticas, favorecendo uma aprendizagem mais eficaz. Uma breve palestra introdutória acompanhada de vídeos animados forneceu o contexto apropriado para a acção. Como exercício prático, cada criança recebeu um pedaço de lixo para ser analisado e depositado no contentor correspondente. Depois de todos os resíduos terem sido classificados, foi pedido às crianças que verificassem se realmente os tinham classificado correctamente, corrigindo-os em conjunto e discutindo o que tinham aprendido.

Aproveitando a ocasião, foi também introduzida a importância de evitar desperdícios alimentares e de não utilizar a sanita como caixote do lixo, uma vez que muitos problemas ambientais são causados pela descarga de artigos como toalhetes húmidos, cotonetes ou rebocos na sanita, entre outros.

Actividades como esta, que fornecem informação sobre reciclagem e redução de resíduos na sala de aula, são um elemento chave para criar adultos conscientes e aproximar-nos do mundo sustentável que todos queremos alcançar.

 

ECOVAL Sudoe, a solução circular para substituir os combustíveis fósseis

As indústrias estão cada vez mais conscientes da importância de implementar políticas que respondam ao contexto da crise ambiental que enfrentamos, sendo “reduzir, reutilizar e reciclar” as novas directrizes a serem estabelecidas nas suas formas de funcionamento. Muitos decidem envolver-se e colaborar em projectos de investigação capazes de desenvolver tecnologias inovadoras destinadas a tirar partido de resíduos ou recursos que já foram utilizados para gerar novos bens, proporcionando alternativas mais amigáveis para o planeta.

A urgência de aplicar alternativas circulares nos processos de produção para minimizar os danos que podem gerar é uma das razões pelas quais empresas como a Repsol, Fertiberia ou Grupo Valora se juntaram para apoiar projectos de I&D&I como os que estão actualmente a ser desenvolvidos na biofábrica Ourense, gerida pela Viaqua, a fim de construir um futuro onde os combustíveis fósseis já não sejam essenciais.

ECOVAL Sudoe, liderado pelo Cetaqua, o Centro Tecnológico da Água, e co-financiado pelo Programa Interreg Sudoe através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), é um projecto que visa oferecer soluções de aplicação real para as indústrias química, petroquímica e de fertilizantes. “Os processos de tratamento de águas residuais geram grandes quantidades de lamas. Estes têm sido tradicionalmente vistos como um desperdício a ser eliminado, no entanto, no projecto ECOVAL demonstramos que podem ser um produto a partir do qual são geradas matérias-primas de alto valor acrescentado que têm potencial para aplicação na indústria química e petroquímica para produzir compostos como lubrificantes, bioplásticos, tintas ou adesivos”, explica Antón Taboada, Gestor de Projecto do projecto em Cetaqua Galicia.

“A Cetaqua está a fazer um trabalho magnífico na optimização do ciclo integral da água e na conversão de estações de tratamento de águas residuais em biofábricas”, diz Enrique Espí, cientista investigador sénior do Centro Tecnológico da Repsol, um parceiro no projecto europeu.

Repsol, um parceiro no projecto, diz estar “especialmente interessado” na utilização de lamas de depuração como “matéria-prima alternativa e renovável” a ser aplicada no fabrico dos seus materiais plásticos, diz Espí, que considera particularmente digna de nota a tarefa de transformar as lamas consideradas “resíduos a eliminar” num “novo recurso”, uma acção alinhada com um dos seus maiores desafios: “obter zero emissões líquidas até 2050”, acrescenta.

Os sectores especializados na produção de fertilizantes são também um dos potenciais destinatários dos subprodutos gerados no ECOVAL. É o caso da Fertiberia, que visa desenvolver novos produtos que integram nutrientes recuperados dos bio-resíduos. Deste modo, a responsável pelos projectos de I&D&I na Fertiberia, María Cinta Cazador, vê o projecto ECOVAL como uma possibilidade de “avançar por este caminho”, constituindo um exemplo onde “a viabilidade e comercialização das soluções propostas tiveram em conta a participação desta parte final da cadeia de valor” e onde “todas as partes são alimentadas e beneficiadas”, assinala ela.

Por outro lado, Valentín Jiménez, Director e Director Geral do Grupo Valora, uma empresa especializada em serviços e produtos para o sector agrícola e outra das pessoas interessadas na utilização destes bio-resíduos para aplicar ao seu modelo empresarial, explica que investir em “projectos que tornem isto uma realidade tangível é uma das formas mais eficazes de lutar activamente pela conservação do nosso ambiente, não só a nível ambiental, mas também a nível social e económico”.

“Sempre entendemos as lamas das ETAR como um recurso que, sob controlo exaustivo e transformação necessária, pode ser convertido em produtos de alto valor acrescentado com um enorme mercado potencial; ainda mais no nosso país, cada vez mais afectado pela perda de matéria orgânica dos nossos solos”. explica Valentín Jiménez.

Relativamente ao caminho que está actualmente a ser seguido para estabelecer modelos mais circulares, Enrique Espí, da Repsol, refere-se a um contexto actual em que o sector energético enfrenta “novos desafios, mas também novas oportunidades onde a colaboração público-privada vai ser fundamental”.

Do mesmo modo, María Cinta Cazador, da Fertiberia, salienta a importância de forjar alianças que permitam progredir, considerando que “existem grandes dificuldades técnicas em alcançar um modelo de gestão que atinja o ambiente óptimo e seja economicamente viável”. Por este motivo, explica, “a colaboração entre eles, os organismos de investigação e os utilizadores finais, neste caso, a indústria de fertilizantes, é fundamental”, conclui.