Os empresários de Palência discutem o modelo de gestão de resíduos promovido pela ECOVAL

Como parte da campanha de sensibilização ECOVAL na cidade de Palência, promovida pela Fundación Patrimonio Natural de Castilla y León, que desde Março inclui cartazes sobre autocarros e abrigos de autocarros e formação em escolas, o Dia Empresarial de Palência terá lugar a 16 de Maio. O evento reúne entre as 16:30 e 18:30 empresas como Aquona ou Una mosca en mi sopa s.l. e instituições como a Câmara Municipal de Palência. Tem o apoio da Câmara Municipal de Palência, Aquona, da Câmara de Comércio e da Associação de Empresários de Hotelaria e Restauração de Palência. O local será a Incubadora de Empresas da Câmara de Comércio de Palencia na Avenida Santander nº44.

 

El programa de la Jornada comprende distintas charlas y puedes consultarlo completo aquí. Tras la bienvenida por parte de Laura Díez (Fundación Patrimonio Natural de Castilla y León) y Ricardo Terrades (Una mosca en mi sopa s.l.), comienza la presentación de Aquona y la economía circular en la Gestión del Agua, acompañada de consejos para la buena gestión del agua aplicada a la hostelería, de la mano de Laura de Vega Franco, Directora de Desarrollo Sostenible de Aquona. Le sigue una pausa para café y la sesión de Gabriel Rubí, jefe del servicio de Medio Ambiente, que acude como representante del Ayuntamiento, para hablar de gestión de la materia orgánica, el quinto contenedor (¡qué marrón!) y los planes y previsiones sobre la gestión de residuos para empresarios. Por último, cierra la jornada la charla de Ricardo Terrades, Director Creativo de Una mosca en mi sopa s.l. y experto en comunicación gastronómica y sostenibilidad hablando sobre los resultados beneficiosos de los restaurantes con cero residuos.

 

O programa da conferência inclui diferentes conferências e pode consultá-la aqui na íntegra. Após o acolhimento de Laura Díez (Fundación Patrimonio Natural de Castilla y León) e Ricardo Terrades (Una mosca en mi sopa s.l.), começa a apresentação de Aquona e da economia circular em Gestão da Água, acompanhada de dicas para uma boa gestão da água aplicada à indústria hoteleira, por Laura de Vega Franco, Directora de Desenvolvimento Sustentável de Aquona. Seguiu-se um intervalo para café e uma sessão de Gabriel Rubí, chefe do Serviço de Ambiente, que veio como representante da Câmara Municipal, para falar sobre a gestão da matéria orgânica, o quinto contentor (já conhece o novo contentor castanho?) e os planos e previsões de gestão de resíduos para os empresários. Finalmente, Ricardo Terrades, Director Criativo de Una mosca en mi sopa s.l. e especialista em comunicação gastronómica e sustentabilidade, encerrará o dia falando sobre os resultados benéficos dos restaurantes de zero resíduos.

 

Se tiver alguma dúvida, por favor contacte-nos para: +34 687 73 13 65.

Projectos de I&D&I impulsionam a biofábrica da Ourense como uma referência europeia na economia circular

Os resultados obtidos na Unidade Conjunta da Biofábrica CIGAT impulsionaram o desenvolvimento de novas soluções de I&D&I na biofábrica Ourense, através dos novos projectos ECOVAL e WalNUT.

A Estação de Tratamento de Águas Residuais Ourense (ETAR) é actualmente uma referência em economia circular graças à transformação que sofreu nos últimos anos ao tornar-se uma biofábrica, ou seja, um novo modelo de instalação baseado nos princípios da economia circular, onde a água é regenerada para posterior reutilização, a energia renovável é produzida e os resíduos são transformados em recursos. Desta forma, o valor dos recursos é maximizado através da promoção de um modelo neutro em termos energéticos que contribui para um desperdício zero.

O sucesso dos resultados obtidos na Unidade Comum Biofábrica CIGAT, resultado da colaboração público-privada entre Viaqua, Cetaqua e a Agência Galega de Inovação (GAIN), serviu de base para o desenvolvimento e implementação de novos projectos de I&D&I, desta vez com enfoque na Europa, como o H2020 Walnut e Interreg Sudoe ECOVAL.

Ambos os projectos, alinhados com a Agenda 2030, posicionam a Galiza como uma referência europeia em termos da implementação de tecnologias inovadoras desenvolvidas para a gestão eficiente dos fluxos urbanos e a consequente utilização de resíduos para um menor impacto ambiental.

ECOVAL (Estratégias de coordenação para a gestão e recuperação de lamas e resíduos orgânicos na região SUDOE), liderada por Cetaqua Galicia, baseia-se na valorização de resíduos orgânicos urbanos e lamas de depuração para a obtenção de bio-produtos tais como ácidos gordos voláteis (VFA), úteis para as indústrias de plásticos, lubrificantes e tintas, entre outras. A noz, liderada pela CARTIF, procura a recuperação de nutrientes e a subsequente produção de biofertilizantes, prevenindo assim a poluição das massas de água e promovendo a circularidade na indústria dos fertilizantes no quadro da União Europeia.

 

Mais de 100 pessoas participaram no evento “De estações de tratamento de águas residuais a biofábricas: o potencial da água na economia circular”, para conhecer os avanços técnicos e os resultados dos dois projectos europeus que estão a ser desenvolvidos em Ourense.

Durante o evento “Das estações de tratamento de águas residuais às biofábricas: o potencial da água na economia circular”, realizado esta manhã no auditório de Ourense, importantes representantes da administração pública, universidades e empresas vieram discutir sobre as barreiras sociais, legais e de mercado existentes para a valorização de produtos de alto valor acrescentado presentes nas águas residuais, úteis para a indústria e agricultura.

O vice-prefeito de Ourense, Armando Ojea, abriu o evento destacando “o desenvolvimento de projectos de investigação em Ourense, que permitem dar uma segunda oportunidade aos resíduos das ETAR, tornando a cidade mais sustentável”.

Actores das entidades envolvidas, tais como Agbar, A Cetaqua e o Centro Tecnológico CARTIF, intervieram para falar sobre os modelos de economia circular implementados, a valorização da matéria em ácidos gordos e nutrientes aplicados na indústria de fertilizantes realizada. Por outro lado, a Universidade de Vigo e a FEUGA, participaram concentrando-se nas barreiras legislativas e de transferência para a transformação de estações de tratamento de águas residuais em biofábricas.

Os utilizadores finais dos recursos extraídos, representados pela Repsol, Fertiberia e o Grupo Valora destacaram durante as suas intervenções a viabilidade da aplicação destes compostos nas indústrias química, petroquímica e de fertilizantes como um passo fundamental para promover modelos circulares e sustentáveis.

Durante a mesa redonda moderada pelo Professor de Engenharia Química da Universidade de Santiago de Compostela (USC), Juan Manuel Lema, representantes da Diputación de Ourense, Cetaqua, Viaqua, Repsol, Fundación Patrimonio Natural de Castilla y León (FPNCyL) e Fertiberia reuniram-se para discutir o potencial da água no âmbito da economia circular.

Juan José Vázquez, chefe de Água da Xunta de Galicia em Ourense, foi o responsável pelo encerramento do evento salientando a importância de projectos como estes para construir um futuro sustentável e lidar com o problema da falta de recursos e o aumento de resíduos.

O dia terminou com uma visita guiada à biofábrica Ourense, onde os participantes tiveram a oportunidade de ver, em primeira mão, as instalações e tecnologias aplicadas a ambos os projectos.

7 de Abril: “Das estações de tratamento de águas residuais às biofábricas: o potencial da água na economia circular”

Após o adiamento em Janeiro, o evento “Das estações de tratamento de águas residuais às biofábricas: o potencial da água na economia circular” organizado por Cetaqua e FEUGA no âmbito dos projectos de inovação Ecoval Sudoe e WALNUT está de volta. Terá lugar a 7 de Abril, tanto no local como em linha.

Este encuentro tiene como objetivo explorar el concepto de biofactoría y presentar los avances técnicos de ambos proyectos. Además, se debatirán las barreras sociales, legales y de mercado para la valorización de productos de alto valor añadido para la agricultura y la industria, como los lodos o los biofertilizantes obtenidos de los flujos residuales de las plantas de tratamiento de aguas urbanas.

Este encontro visa explorar o conceito de biofábricas e apresentar os avanços técnicos de ambos os projetos. Além disso, serão discutidas as barreiras sociais, legais e de mercado para a valorização de produtos de alto valor acrescentado para a agricultura e indústria, tais como lamas ou biofertilizantes obtidos a partir de fluxos de resíduos de estações de tratamento de águas urbanas.

Aqui pode consultar o programa do evento, que decorre das 10h às 14h, com apresentações e mesas redondas para refletir sobre o valor essencial da água na transição para uma economia circular. Os principais destaques do dia são:

  • Parte I: passado, presente e futuro das biofábricas.
  • Parte II: barreiras legislativas/transferências para a implementação de biofábricas
  • Parte III: utilizadores finais de subprodutos de biofábrica.

O evento, em espagnol, será transmitido por Zoom com tradução inglesa.  A capacidade do evento virtual, é limitada. O registo será encerrado quando o número máximo de inscrições for atingido. Não perca, registe-se aqui!

Empurrão das mulheres para a SDG 6: água limpa e saneamento para todos

O Dia Internacional da Mulher e das Raparigas na Ciência tem sido comemorado todos os 11 de Fevereiro desde 2016. Para a comemorar, as Nações Unidas organizam a sua sétima assembleia com o objectivo de promover o papel das mulheres como agentes activos, e não apenas como beneficiárias, nos avanços científicos e tecnológicos que nos conduzem a um futuro mais sustentável e igualitário.

Embora tenham sido feitos progressos nos últimos anos, as mulheres ainda estão sub-representadas na STEM. Representam 33,3% dos investigadores, ocupam menos de um quarto dos cargos de decisão nas instituições de ensino, representam apenas 28% dos licenciados em engenharia e tendem a ter carreiras mais curtas e menos remuneradas do que os seus homólogos masculinos, de acordo com dados da ONU. A igualdade de género, para além de ser um direito humano fundamental, é essencial para enfrentar os complexos desafios científicos, ecológicos e tecnológicos de amanhã, com pleno potencial humano e desenvolvimento sustentável.

 

A água é a chave para a vida

O tema do Dia Internacional da Mulher e das Raparigas na Ciência deste ano é “Equidade, Diversidade e Inclusão: A Água Unifica-nos”. O seu objectivo é colocar em destaque os milhões de pessoas que, segundo relatórios da ONU, ficarão sem acesso a água potável, saneamento e serviços de higiene até 2030. As causas serão a procura crescente e a má gestão dos recursos hídricos, exacerbada pelas alterações climáticas.

A Assembleia reunirá cientistas e peritos de todo o mundo na sede da ONU para discutir o nexo da água na consecução dos três pilares do desenvolvimento sustentável: prosperidade económica, justiça social e integridade ambiental. Visa acelerar a realização do Objectivo 6 de Desenvolvimento Sustentável (SDG), que visa assegurar a disponibilidade de água, saneamento e gestão sustentável da água para todos.

ECOVAL está também a trabalhar nestas direcções com a reutilização de lamas de depuração para criar bio-produtos de alto valor acrescentado, tais como ácidos gordos voláteis. Estima-se que cada ano, as estações de tratamento de águas residuais na região de Sudoe geram cerca de 1.300.000 toneladas de resíduos de água, aos quais poderia ser dada uma segunda vida graças ao ECOVAL.

Vanesa paramá, bióloga investigadora da fábrica piloto da Cetaqua, que trabalha para dar uma segunda vida ao lodo, em linha com a economia circular no sector da água, fala-nos disso. Graças a ela e a outros investigadores, o projecto ECOVAL é uma realidade sólida.

Qualquer pessoa que queira acompanhar a conversa online pode usar os hashtags #WomenInScience e #Fevereiro11. Para mais informações, pode visitar o seguinte website ou o programa do evento.

2º Workshop “Transpor barreiras da valorização de lamas de ETAR e biorresíduos”

O modelo do projeto Ecoval Sudoe é uma mudança de paradigma: de estações de tratamento de águas residuais para biofábricas. Uma mudança de modelo, de linear para circular e uma mudança de conceito: resíduos por recursos. No entanto, não basta testar novas tecnologias para a valorização de recursos classificados até agora como resíduos. A inovação tem de andar de mãos dadas com a aceitação do modelo empresarial. Neste contexto, o projeto está a organizar uma série de workshops em que diferentes especialistas respondem à questão: como superar as barreiras para a valorização dos biorresíduos e das lamas de ETAR?

O workshop realizado a 18 de janeiro, segundo do projeto, contou com a participação de 16 especialistas da Região Sudoe (Portugal, Espanha e França), provenientes de entidades gestoras de saneamento e resíduos, centros de investigação, autoridades ambientais, consultores jurídicos e associações setoriais. Este evento foi organizado pela Águas do Tejo Atlântico, com a colaboração da CETAQUA, da Porto Ambiente, da NEREUS, da FEUGA e da Fundação do Património Natural de Castela e Leão.

Após a apresentação do projeto, os peritos dos três países partilharam a sua experiência sobre a gestão de lamas de ETAR e biorresíduos, do aproveitamento de produtos de valor acrescentado (ex. ácidos gordos voláteis) e de mecanismos de desclassificação de resíduos. Posteriormente, foram criados fóruns de discussão para cada país, onde se abordaram as especificidades de cada Estado Membro.

A sessão encerrou com a análise das potenciais sinergias da Região Sudoe e apresentadas as principais conclusões do primeiro workshop.

As principais barreiras identificadas pelos especialistas incluem:
– Ausência de critérios de fim de estatuto de resíduos para AGV produzidos a partir de lamas de ETAR e biorresíduos.
– Processamento difícil e moroso do fim do estatuto de resíduo.
– A falta de um quadro jurídico comum para todos os Estados-Membros limita a criação de um mercado interno da UE.
– Dificuldade em garantir a qualidade dos resíduos biológicos municipais da recolha separada.

Quer fazer parte do debate? Subscrever a nossa newsletter?

Das estações de tratamento de águas residuais às biofábricas: o potencial da água na economia circular

A 27 de Janeiro de 2022, terá lugar o evento “Das estações de tratamento de águas residuais às biofábricas: o potencial da água na economia circular”, organizado pela Cetaqua e FEUGA no âmbito dos projetos de inovação Ecoval Sudoe e WALNUT.

Este encontro visa explorar o conceito de biofábricas e apresentar os avanços técnicos de ambos os projetos. Além disso, serão discutidas as barreiras sociais, legais e de mercado para a valorização de produtos de alto valor acrescentado para a agricultura e indústria, tais como lamas ou biofertilizantes obtidos a partir de fluxos de resíduos de estações de tratamento de águas urbanas.

Aqui pode consultar o programa do evento, que decorre das 10h às 14h, com apresentações e mesas redondas para refletir sobre o valor essencial da água na transição para uma economia circular. Os principais destaques do dia são:

  • Parte I: passado, presente e futuro das biofábricas.
  • Parte II: barreiras legislativas/transferências para a implementação de biofábricas
  • Parte III: utilizadores finais de subprodutos de biofábrica.

O evento, em espagnol, será transmitido por Zoom com tradução inglesa.  A capacidade do evento virtual, é limitada. O registo será encerrado quando o número máximo de inscrições for atingido. Não perca, registe-se aqui!

 

Como transpor barreiras da valorização de lamas de ETAR e biorresíduos?

O modelo que o projeto Ecoval Sudoe procura promover uma mudança de paradigma: de estações de tratamento de águas residuais para biofábricas. Uma mudança de modelo, de linear para circular e uma mudança de conceito: resíduos por recursos. No entanto, não basta testar novas tecnologias para a valorização de recursos classificados até agora como resíduos, a inovação tem de andar de mãos dadas com a aceitação do modelo empresarial. É por isso que o projeto está a lançar uma série de workshops em que diferentes especialistas respondem à questão: como superar as barreiras para a valorização dos biorresíduos e das lamas de ETAR?

O primeiro dos workshops realizou-se a 2 de Dezembro, entre as 11:00h e as 13:30h, com a participação de especialistas espanhóis convidados a apresentar e discutir as barreiras que identificaram a partir da sua experiência com biorresíduos e lamas de depuração, bem como propostas para as ultrapassar.

Assim, a conferência, liderada por Laura Díez e Inés Méndez, técnicas da Fundação do Património Natural de Castela e Leão, contou com a presença de:

  • Antón Taboada, Cetaqua, coordenador do Ecoval Sudoe, responsável pela apresentação do projeto e dos seus objetivos.
  • Gema Gonzalo, Ministério da Transição Ecológica e o Desafio Demográfico (Miterd). Conselheira Técnica do Secretariado Geral da Economia Circular, que apresentou o quadro jurídico europeu e os critérios de fim da condição de resíduos.

Com a interação de todos os participantes, o debate sobre as principais barreiras jurídicas e administrativas para a valorização de biorresíduos e lamas de depuração foi protagonizado pelos seguintes oradores:

  • Daniel Ruíz, Grupo Valora, empresa especializada no tratamento, recuperação e exploração de resíduos que podem ser utilizados para fins agrícolas e florestais, em particular substratos e fertilizantes.
  • Inmaculada Sanz, FCC, grupo especializado em serviços ambientais, hídricos e de infraestruturas.
  • Luz Panizo, Aquona, empresa ambiental que centra a sua atividade nos serviços integrais do ciclo da água.

E fique atento, este workshop foi o primeiro e focou-se na situação e experiência em Espanha, mas outras datas serão anunciadas para analisar a situação em Portugal e França.  

 

 

 

 

Já conhece o novo contentor castanho? – Ecoval Sudoe

Muito em breve, os contentores com tampa castanha serão mais um elemento nas nossas ruas, um caminho para uma economia mais circular e amiga do ambiente. Mas o que são resíduos orgânicos e que resíduos devemos depositar no novo contentor castanho?

No âmbito da Semana Europeia da Prevenção de Resíduos, o projeto Ecoval Sudoe lança uma campanha de comunicação para:

  • Sensibilizar para a necessidade de reduzir os resíduos que geramos.
  • Sensibilizar para a importância de uma correta separação dos resíduos.
  • Informar sobre o tipo de resíduos que se deve depositar no contentor castanho.
  • Informar sobre os benefícios ambientais da correta separação e reciclagem dos resíduos orgânicos.

A campanha irá também sensibilizar para a utilização incorreta da casa de banho como caixote do lixo. Com o objetivo de minimizar os resíduos que são descarregados de forma imprópria, o Ecoval sensibilizará para as consequências da utilização imprópria dos sanitários. O impacto mais imediato é o entupimento das tubagens, mas a poluição da água e a degradação ambiental são também uma consequência directa. Por isso, será explicado:

  • Os resíduos que não devem ser despejados na sanita
  • As consequências ambientais da descarga de resíduos pela sanita

A campanha decorrerá em Espanha, França e Portugal – com conteúdos gerados nas 3 línguas – e consistirá em vídeos de animação e vídeos de testemunhos, quizzes e infográficos com o objetivo de aumentar a sensibilização para a correta separação de resíduos e aumentar o empenho dos cidadãos na reciclagem. Serão também organizadas diferentes atividades nas escolas, onde a partilha do conteúdo gerado para esta campanha será encorajada.

E se pergunta porque é que esta campanha é importante, convidamo-lo a conhecer os números de resíduos orgânicos e lamas de esgoto gerados na área de Sudoe.

 

Junte-se à nossa campanha!

 

 

 

Biofábricas e a reutilização de água: Aquona partilha as suas melhores práticas no 1º Fórum de Bioeconomia Circular de Castela e Leão

O projeto europeu Interreg ECOVAL que irá transformar a estação de tratamento de águas residuais de Palência numa biofábrica é uma das propostas que a Directora de Desenvolvimento Sustentável da Aquona, Laura de Vega, partilhou no I Fórum Circular de Bioeconomia de Castela e Leão que teve lugar em Soria nos dias 27 e 28 de Outubro.  

29 de Outubro de 2021– A economia circular tornou-se um paradigma-chave, para que a água seja um motor que acelera a transição ecológica e contribui para superar o desafio demográfico.  Isto requer propostas inovadoras de administrações e empresas como a Aquona, que gere “o ciclo sustentável da água em 130 municípios de Castilla-La Mancha e Castilla y León com um modelo de baixo carbono e um compromisso com a digitalização e tecnologia para aplicar soluções baseadas na economia circular”, disse Laura de Vega, a Directora de Desenvolvimento Sustentável da empresa.

Isto foi destacado por De Vega no 1º Fórum Circular de Bioeconomia de Castela e Leão, que decorreu em Soria nos dias 27 e 28 de Outubro. O Director de Desenvolvimento Sustentável da Aquona participou no workshop sobre melhores práticas e projetos de inovação em bioeconomia circular juntamente com Luis Francisco Martín, Técnico Comercial da ReFood na zona central de Espanha do Grupo Saria; Ángela Osma, Secretária Geral da Associação Espanhola de Plásticos Biodegradáveis Compostáveis; Jorge Miñón, Sócio Fundador da Agrae Solutions S.L. e María Pilar Bernal, Presidente da Rede Espanhola de Compostagem e Professora de Investigação no CEBAS-CSIC.

“A bioeconomia circular no ciclo da água” foi o nome da apresentação da Aquona, em que partilhou os projetos nesta área que a empresa está a promover. Uma das primeiras linhas de ação discutidas foi a transformação das estações de tratamento de águas residuais em biofábricas, um processo em que a estação de tratamento de águas residuais (ETAR) de Palência, que a Aquona gere, está actualmente envolvida. A taxa de utilização térmica da instalação já é de 100% e a sua auto-suficiência energética é de 65%. Além disso, “100% das lamas produzidas no processo de tratamento são recuperadas e utilizadas na agricultura”, sublinhou Laura de Vega, acrescentando que a “recuperação de areia para utilização como composto” ou como material de enchimento em estaleiros de construção e valas está também a ser abordada.Quanto à reutilização da água, “parte da água tratada está a ser utilizada para regar jardins”, disse De Vega.  A proteção da biodiversidade e o envolvimento da comunidade local fecham o ciclo neste processo de transformação.

Além disso, a ETAR de Palência é um dos cenários de aplicação do projecto europeu Interreg ECOVAL. Com um orçamento de 1,4 milhões de euros, esta iniciativa baseia-se na recuperação de lamas e resíduos sólidos urbanos para obter gorduras voláteis de alto valor acrescentado para as indústrias de plásticos, lubrificantes e agroquímicos.  A Junta de Castela e Leão, a Câmara Municipal de Palencia e a Aquona, juntamente com outros parceiros, promovem o projeto coordenado pela CETAQUA, o centro de tecnologia da água de Agbar, o grupo a que a Aquona pertence. 

A circularidade no âmbito da energia pode ser encontrada em León, onde a Águas de León, uma empresa mista, propriedade da Aquona e da Câmara Municipal de León, gere o serviço municipal de água e promove o projeto Life Nexus que irá gerar energia micro-hidroeléctrica e promover o seu armazenamento.

Este empenho na inovação e na economia circular da empresa tem como objetivo a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, onde as alianças “entre todos os intervenientes são essenciais para multiplicar o impacto das ações”, diz Laura de Vega. Da mesma forma, a Agenda 2030 é o guia para alcançar uma reconstrução verde, sustentável e inclusiva após a pandemia em que os Fundos de Recuperação da Próxima Geração “são uma oportunidade para promover a economia circular, propor soluções para as alterações climáticas e responder às necessidades de digitalização, abastecimento, saneamento e purificação que nos ajudam a unir o território e a pôr fim ao despovoamento”, concluiu.

Ecoval participa no evento Galicia Innovations Days

No âmbito do evento Galicia Innovations Days, que decorreu de 25 a 29 de outubro, o projeto ECOVAL Sudoe foi apresentado na sessão “The fourth decade of Interreg in Galicia”. Esta mesa redonda sobre a evolução, sucessos e oportunidades do Interreg na Galiza decorreu no primeiro dia do evento às 16h.

Nesta sessão foi apresentada a história do Interreg (European Territorial Cooperation), marcos históricos e casos de sucesso na Galiza.

Os oradores da sessão foram: Dirk Peters, Especialista Sénior de Cooperação Territorial da Comissão Europeia; María José Mariño, Directora da Área de Centros da Agência Galega de Inovação; Xosé Lago, Coordenador de Poctep na Sub-Direcção Geral de Acção Externa e Cooperação Transfronteiriça da Xunta de Galicia e Nuria Rodriguez Aubo, Responsável de Inovação e Transferência de Tecnologia da FEUGA (Fundación Empresa-Universidad Gallega).

A representar a FEUGA, Nuria Rodriguez Aubo, apresentou as áreas de trabalho e os projetos Interreg desenvolvidos e nos quais a FEUGA participa. Na referência ao Ecoval SUDOE, foram apresentados os objetivos, parceiros e as função que a FEUGA desenvolve dentro do projeto, que são disseminação, comunicação e transferência de tecnologias.

O ECOVAL também esteve presente na área de exposição do evento, juntamente com outros projetos Interreg, reforçando assim o networking e a visibilidade.

 

Galicia Innovations Days  

O Galicia Innovations Days é um evento organizado pela FEUGA, pelo Galician Ministry of Education (Xunta de Galicia) e pela Galician University System, que reúne empresas, investigadores, universidades, investidores e consultores de diferentes países europeus e do resto do mundo.